Design Sprint: o plano estratégico de 5 dias!

Publicado em: 20/04/2021

Como o próprio nome diz, Design Sprint tem tudo a ver com design e agilidade. O que toda empresa gosta, não é mesmo? Mas será que a sua empresa aplica esta metodologia que promete trazer soluções e resolver grandes desafios em 5 dias?
Hoje, vamos falar sobre seus objetivos, quando usar, dicas de como aplicar e muito mais. 
Roda a vinheta!

Sobre o Design Sprint
Tudo está sempre em constante mudança no mercado, as necessidades dos clientes mudam, a qualidade dos serviços evolui, a automatização cresce e assim por diante.

E para atender todas as necessidades, foi criado esse processo de design colaborativo que tem como objetivo entender e resolver grandes desafios em apenas cinco dias.

Essa metodologia foi criada pela Google Ventures e ficou conhecida mundialmente após ter sido publicada no livro Sprint, em 2016, escrito por Jake Knapp, John Zeratsky e Braden Kowitz.

Por isso, hoje, o Design Sprint tem sido muito usado como ferramenta de validação de ideias e soluções de problemas em empresas de todos os portes.

Essa metodologia tem como objetivo prototipar, testar e validar um produto/solução, de uma maneira rápida, de forma econômica e ágil!

O Design Sprint é pra tudo? Como saber quando ele deve ser aplicado?

Ele pode ser aplicado em algumas situações, como:

  • Início de um projeto, para definir qual o produto ou serviço a se desenvolver ou qual necessidade solucionar;
  • No meio do projeto, quando há algum problema a resolver ou acontece alguma estagnação;
  • Para realizar as tarefas com mais agilidade. Ou seja, aquela estratégia do empurrãozinho para das uma agilizada em tudo;
  • Ou como forma de alinhamento para que todos os integrantes fiquem por dentro e na mesma etapa de um projeto.

Então, podemos dizer que usar a metodologia muito é eficaz para:

  • Testar ideias rapidamente;
  • Quando múltiplos projetos estão acontecendo;
  • Cumprir prazos de entrega que estão no limite;
  • Grande volume de tarefas.

E quando o Design Sprint não deve ser aplicado?
Por incrível que pareça, pode ser que tenham situações em que o Design Sprint não é a melhor opção, como é o caso de:

Quando a complexidade do projeto é muito grande e o prazo de 5 dias não é o suficiente para realizar o passo a passo da metodologia.
Por mais que tenham várias pessoas envolvidas, alguns desenvolvimentos e testes necessitam mais de uma semana.

Como é a aplicação do Design Sprint?
Antes de mais nada, é importante fazer a seleção de quem irá participar da metodologia. Sim, como uma escalação no futebol, as pessoas recrutadas devem ter habilidades diferentes para poderem colaborar com diversas visões.

Se liga no time:

  • O decisor: dono da empresa ou o profissional que mais conhece o problema a ser resolvido;
  • O especialista em finanças: para entender os custos do projeto;
  • O especialista em marketing: para fazer com que o projeto chegue até os clientes;
  • O especialista em cliente: alguém que conheça seus clientes e suas necessidades;
  • O especialista em logística: profissional que tenha conhecimento de todas as etapas e processos do produto ou serviço para a realização do projeto;
  • Um criador de obstáculos: alguém que encontre desafios e se oponha a algumas mudanças para trazer novas ideias;
  • Um facilitador: um gerente de projetos ou scrum master que organize o processo e cuide dos prazos para que tudo seja entregue nas datas corretas.

Apita o árbitro!

Depois da escalação do time, é hora de começar o jogo:

A metodologia do Design Sprint é organizada por objetivos distribuídos por dias. Então, o cronograma fica assim:

1º dia – Entender
Geralmente, se inicia na segunda-feira (com um belo café da manhã ficaria ainda mais interessante 😊) para efetuar o processo durante a semana.
Então, na segunda-feira, o problema é mapeado e entendido através de pesquisas, levantamento de hipóteses e elaboração de ideias.

2º dia – Desenhar
Na terça-feira, é a etapa de colocar no papel! Hora de mostrar aos pintores famosos como se esboça ideias que foram trazidas no dia anterior. É bom aproveitar também para dar uma revisada em todos os pontos.

3º dia – Decidir
A quarta-feira é aquele dia do meio da semana, então a etapa de decidir quais as hipóteses são as melhores a serem seguidas. Este é um ótimo momento para filtrar as ideias. Depois de definido, é preciso transformar o que foi discutido em um storyboard (se cuidem quadrinistas), com o plano detalhado passo a passo do protótipo.

4º dia – Prototipar
Na quinta-feira, chega o momento de prototipar! Sim, é hora de colocar em prática! De construir um protótipo baseado no storyboard criado. Esta etapa é muito importante, pois comprova se tudo ocorrerá bem na hora do teste (próxima etapa). Então, torçam os dedos!

5º dia – Testar
É o grande dia! Dia de testes. Testar o protótipo desenvolvido, observar os resultados e colher feedbacks (importantíssimo!). Após isso, é aquela decisão! Se irão dar continuidade o processo e aplicar realmente a ideia.

Quais materiais preciso então para fazero projeto do Design Sprint?

  • Não é preciso materiais muito complexos. Para desenvolver um bom projeto, basta:
  • Caneta, lápis, borracha e apontadores;
  • Quadro ou flipchart;
  • Tesoura sem ponta (rs)
  • Papel A3 e A4;
  • Post-it;
  • Fita adesiva;
  • Adesivos redondos;
  • Relógio.

Viu como é simples e prático desenvolver o Design Sprint?
Se quiser saber mais, nós, da Happmobi, temos um curso pra lá de especial sobre Design Sprint em que você aprende muito mais!